Este site foi descontinuado, as informações aqui inseridas estão desatualizadas, ultima atualização 04 de janeiro 2018.


Pontos Turísticos
Qui, 29 de Maio de 2008 16:22

Museu da Gravura Brasileira
  • Rua Coronel Azambuja, 18 (esquina Av. Tupy Silveira)
  • Fone: 3242-8244 ramal 225
  • Funcionamento: segundas, das 13hs30min às 17hs30min - terças a sextas, das 13hs30min às 19hs30min.
  • Sem taxa para visitação.

IMBA – Instituto Municipal de Belas Artes
  • Av. Sete de Setembro, 1087.
  • Fone: 3247-1643
  • Funcionamento: das 8hs e 30 min às 11hs e 30 min, e das 13hs e 30 min às 21hs (segundas e quartas), ou às 20hs e 30 min (terças, quintas e sextas).

Casa de Cultura Pedro Wayne
  • Av. Sete de Setembro, esquina General Netto.
  • Fone: 3242-8612
  • Funcionamento: Seg. a Sexta, das 13hs às 19hs
  • Sábado, das 9hs às 12hs e das 15hs às 18hs (quando há exposição)
  • Domingo, das 15hs às 18hs (quando há exposição)

Museu Dom Diogo de Souza
  • Rua Emílio Guilayn, 759.
  • Fone: 3242-8244 ramal 250
  • Funcionamento: de terça a sábado, das 13:30 às 18:30.

Igreja Matriz de São Sebastião
  • São Sebastião, o padroeiro de Bagé, é também padroeiro dos militares.
  • Em 20 de janeiro de 1813, uma procissão transladou a imagem de São Sebastião da Guarda da Coxilha para o acampamento militar deixado por Dom Digo de Souza. Assim começou a história da Catedral. Inicialmente, a imagem ficou em um rancho e em 1815 iniciou-se a construção de uma igreja em louvor do santo. Concluída em 1820, a antiga igreja era muito simples, resumindo-se a uma capela-mor e tendo como corpo um galpão coberto de palha. A imagem de S. Sebastião continua em poder da Igreja.
  • Dois casamentos ilustres realizaram-se na antiga Igreja: e o Emílio Mallet (Marechal do Exército, barão do Itapevy e Patrono de Arma do Exército) com Joaquina Castorina de Medeiros (filha do fazendeiro coronel Antônio de Medeiros Costa), em 1828; e o do Tenente Manuel Luis Osório (Marechal do Exército e Marquês do Herval) com Francisca (filha de Zeferino Fagundes de Oliveira), em 1835.
  • A Igreja sofreu vários danos durante as Guerras Cisplantina e dos Farrapos, prejudicando suas estruturas.
  • Em 15 de novembro de 1844, Duque de Caxias (então Marquês de Caxias), esteve em Bagé. Foi recebido pelo padre Lourenço Cazas Novas, que convidou Caxias para um Te-Deum para homenagear a vitória das forças imperiais sobre os farroupilhas no combate dos Porongos. Mas Caxias, já pensando na construção da paz, respondeu que se fizesse uma Missa de Defuntos, pela alma dos que morreram no combate. Esta resposta está perpetuada numa placa de bronze.
  • A antiga Igreja passou vários anos em estado precário, até que foi demolida para se iniciar a construção de uma nova. A atual Matriz começou a ser construída em 1862 e foi concluída em 1878. Porém, em 1865, quando já estavam prontos a capela e o altar-mor e a Igreja já estava coberta, começaram os cultos ao divino.
  • O projeto foi do arquiteto José Obino. A verba para a obra veio do Governo da Província, espetáculos feitos para arrecadar recursos e donativos da população. Uma grande doação (de 12 contos de réis) foi feita pelo Sr. Carlos Silveira Martins (pai de Gaspar Silveira Martins), com a condição de que uma das torres abrigasse o túmulo de sua família. O comerciante espanhol Ramon Galibern trouxe, da Espanha, um relógio de presente para a Matriz, que ficou preso na alfândega de Rio Grande por aproximadamente um ano, e só foi colocado na torre, à esquerda da entrada, em 1873.
  • Em 16 de outubro de 1865, Bagé recebeu a visita de D. Pedro II, e houve Te-Deum na Matriz, que ainda estava em obras. Em 20 de fevereiro de 1885 foi a vez da Princesa Isabel vir à cidade, para encontrar o seu esposo, o Conde D’Eu. Ambos foram recebidos na Igreja (já pronta), e também houve Te-Deum, em ação de graças. Um ano antes – 1884 – na Igreja já havia sido comemorada a abolição da escravidão em Bagé (28 de setembro de 1884).
  • Em 1893, durante a Revolução Federalista, a Catedral e a Praça foram palco de grandes acontecimentos, no episódio que ficou conhecido como Sítio de Bagé, quando forças revolucionárias, pretendendo tomar a cidade, obrigaram os legalistas-republicanos, comandados pelo Coronel Carlos Maria da Silva Telles, a armar a defesa da Praça. O templo se transformou em hospital de sangue, enquanto junto às paredes laterais se sepultavam os mortos. A Igreja ficou com suas paredes cravejadas de balas. Só a imagem simbolizadora da Esperança, na fachada, não recebeu nenhum projétil. Celebrada a pacificação, voltou a cidade à normalidade. Com doações de fiéis, comandados pelo cônego Bittencourt, a Igreja foi sofrendo reformas e reparos (chão, altar, etc.), sendo executado o que era possível.
  • A Catedral recebeu nova pintura em 2003, graças ao apoio da comunidade.

Praça da Redenção - Praça Carlos Telles
  • Segundo alguns historiadores, aqui seria o centro do acampamento militar deixado por Dom Diogo de Souza em 17 de julho de 1811 que teria dado início à cidade de Bagé.
  • A Praça da Matriz, anteriormente chamada Praça da Redenção, recebeu a denominação de Praça Carlos Telles em homenagem ao Coronel Carlos Telles, herói da defesa de Bagé durante o cerco de 1893 (Rev. Federalista).
  • Na área próxima à Praça e à Catedral, onde a cidade começou a se desenvolver, as ruas estreitas mostram a influência portuguesa, um dos povos que ajudaram a colonizar o nosso município.
       MONUMENTOS
  • BUSTO DE CARLOS TELLES – inaugurado em 31 de outubro de 1950, por iniciativa de Eurico Salis.
  • BAGÉ AO DR. PENNA – inaugurado em 12 de maio de 1913. Neste monumento-túmulo estão os restos mortais do primeiro médico a fixar residência aqui. Fica em frente ao local onde morava o Dr. Penna. A estátua foi fundida em Paris.

Praça Silveira Martins
  • Já teve vários nomes: Largo do Conde, Praça do Portão (próximo à praça haveria um portão, que seria o portão de entrada da cidade), Praça do Mercado (segundo alguns), e Praça Voluntários da Pátria (em 1881), pois era nela que os soldados daqui que foram para a Guerra do Paraguai se reuniam. A atual denominação de Praça Silveira Martins, em homenagem a Gaspar Silveira Martins, vigora desde o final da década de 30.
  • Situada bem no centro da cidade, é local de passagem de várias pessoas todos os dias. Sofreu reformas e melhoramentos ao longo dos anos. Em 1908 forma construídos os chafarizes e vieram do Rio de Janeiro os dois “anjinhos da praça”. Hoje não há mais as fontes, apenas permanecem os anjinhos.
       MONUMENTOS
  • ESTÁTUA DE GASPAR SILVEIRA MARTINS – inaugurada em 3 de março de 1970. Autor: Antônio Caringi. Gaspar Silveira Martins nasceu em Aceguá, em 5 de agosto de 1835, e faleceu em Montevidéu, em 23 de julho de 1901. Advogado, foi também deputado, Ministro da Fazenda, senador e um dos fundadores do Partido Federalista. Foi também Presidente da Província do Rio Grande do Sul em 1889.
  • OBELISCO COMEMORATIVO AO CENTENÁRIO DA INDEPENDÊNCIA – 7 de setembro de 1922. Autor: Henrique Tobal.
  • HERMA A GETÚLIO VARGAS – 19 de abril de 1957. Autor: Antônio Caringi. Em 1962 foi colocada no local a carta testamento, em bronze.
  • HERMA DE JOÃO BATISTA FICO – 29 de setembro de 1962. Autor: Antônio Caringi. João B. Fico foi um médico bageense, vereador, deputado, prefeito de Bagé e um dos fundadores do Partido Trabalhista Brasileiro.
  • MARCO COMEMORATIVO DOS 50 ANOS DE ATIVIDADE DO ROTARY CLUB – inaugurado em 1984.
       Coreto Municipal - Centro de Informações Turísticas
  • Inaugurado em 15 de novembro de 1927 (data comemorativa à Proclamação da República). Sua construção foi obra do eng. Civil Lincoln Proença Borralho, Sec. de Obras Públicas da administração de Carlos Mangabeira.
  • Serviu de palco para bandas municipais e comícios de importantes políticos, entre eles os ex-presidentes Jânio Quadros e Juscelino Kubistchek. Na sua parte inferior funcionou, durante muitos anos, o Bar & Café, local de encontro de amigos que discutiam política, faziam poesia, etc. Funcionou também como mercearia, abrigo de motoristas de “carros da praça”, sanitários e Sede da Unidade de Artesanato (desde 4 de abril de 1982). Desde o dia 23 de julho de 2002 está funcionando como Centro de Informações Turísticas de Bagé.
  • Antes da sua construção, havia no local um “chalet” de madeira, inaugurado em 1899. O Chalet esteve em funcionamento por 28 anos.

Igreja Nossa Senhora da Conceição
  • As obras da antiga capela foram iniciadas em 1869 e concluídas em 1871. A pintura, incluindo os quadros da paixão e a abóbada, ficou pronta em 1888.
  • Em 1893 (Revolução Federalista) a capela foi invadida pelos revolucionários. Em 1930 foi reformada e construída uma torre. Foi demolida em 1963 pelos padres capuchinhos e um novo templo foi construído, sendo a primeira missa celebrada em 08/12/1966.
  • A imagem de Nossa Senhora da Conceição veio de Concepción, em 1870, e era uma presa da Guerra do Paraguai.

Prefeitura Municipal
  • Inaugurada em 24 de fevereiro de 1900. O Governo Municipal ocupava, até então, um prédio situado à rua Conde de Porto Alegre, esquina Barão do Amazonas. Foi construída na administração de José Octávio Gonçalves. A planta da construção constituía-se de: um salão para o Conselho Municipal, uma sala para o Júri, duas salas para cada Secretaria (Tesouro, Município e Obras Públicas), ante sala e Gabinete do Intendente, biblioteca, Secretaria do Sub Intendente, alojamento para a Guarda Municipal, duas prisões e outra peças pequenas indispensáveis para o funcionamento da Intendência.
  • A parte térrea, lado sul, funcionou como cadeia por muitos anos, e na parte superior, no Salão Nobre, funcionou a Câmara dos Vereadores. A porta principal original foi readaptada no interior do prédio, e a que hoje está no local foi doada pelo uruguaio Dr. Roberto Magalhães Suñe.
  • Hoje funcionam no prédio a SMED e o Gabinete do Prefeito.

Ginásio Presidente Médici
  • Popularmente chamado de Militão, tem o nome de Ginásio Presidente Médici em homenagem ao ex-presidente da República, nascido em Bagé.
  • Inaugurado no governo Médici, pertence à Prefeitura. É palco de competições esportivas e eventos artísticos e culturais. É também sede da Secretaria de Esportes e Turismo de Bagé (SETUR).
  • O Complexo possui ginásio poliesportivo (onde são disputados jogos de futsal, vôlei, basquete e handebol), 7 campos de futebol (o oitavo está em fase de construção), campo de futebol sete, quadras de vôlei de areia (uma com medidas oficiais, construída em 2003), palco para atividades artísticas e shows, pista de jeep cross, lugar para camping e área de lazer arborizada com churrasqueiras. Dentro do ginásio há ainda sala para reuniões, sala de artes marciais, sala de ginástica olímpica e rítmica, sala do Corba (Corredores de Rua de Bagé) e sala de fisioterapia, com um profissional da Secretaria de Esportes e Turismo do município para atender gratuitamente os atletas amadores que participam das atividades no Complexo.

Casa do Artesanato
  • Rua General Netto, 26.
  • Fone: 3241-9828
  • Funcionamento: Seg. a Sábado, das 8hs 30min às 18hs 30min.


Biblioteca e Arquivo Público Municipal
  • Rua Carlos Mangabeira, esquina Av. Sete de Setembro.
  • Fone: 3242-1795
  • Fone Arquivo: 3242-6574
  • Funcionamento: Seg. a Sexta, das 8hs às 20hs - Sábado, das 9hs às 12hs


Clube Caixeral
  • É o clube mais antigo da cidade. Foi inaugurado em 20 de maio de 1884, com o nome de Clube Progresso Caixeral, mais tarde substituído pela Sociedade Literária Caixeral, que possuía uma excelente biblioteca.
  • Hoje é um dos clubes mais conhecidos de Bagé.

Clube Comercial
  • O prédio inicialmente foi residência do Sr. Antônio Barbosa Netto. Mais tarde foi sede do Hotel Paris, até 1925, quando foi adquirido para ser construída a sede do Clube Comercial.
  • O Clube Comercial foi inaugurado em 3 de junho de 1886. Teve quatro sedes: na Av. General Osório (atual Oba Oba), no “Solar da Sociedade Espanhola”, ao lado da Rádio Difusora (1934-1937) e na sede atual, cuja construção foi concluída em 1937.

Praça de Esportes - Praça Rio Branco
  • Antigamente chamada de Praça da Constituição, em 1910 já era chamada de Praça Rio Branco.
  • No governo de Carlos Mangabeira, em 1925 (segundo os jornais), a praça teria sido escolhida “para o desenvolvimento físico das crianças”. A planta estaria sendo elaborada pelo Centro de Cultura Física de Montevidéu.
  • Em 1926-1927 foram colocados os aparelhos de ginástica, a tela ao redor da praça e da pista de patinação, e construída a quadra de tênis. Considerada a primeira do gênero no país, a praça foi inaugurada em 7 de setembro de 1927.

Palacete Pedrinho Osório
  • O prédio foi construído no início do século XX, pelo médico Dr. Pedro Osório. Possui estilo neoclássico, com mármore, vitrais e ferro. Há quem diga que é uma réplica de uma casa existente em Bologna (Itália), outros dizem que é réplica de uma casa em Paris, que teria inclusive os dois cachorros. As duas estátuas dos cachorros, em ferro fundido, foram colocadas alguns anos depois da sua conclusão. Existe, junto ao prédio, um bosque plantado por Pedro Osório, que era apaixonado por plantas e árvores. Até hoje o bosque é orgulho para os bageenses.
  • A partir de 1955 foi sede do Colégio Estadual Carlos Kluwe, e hoje abriga a Secretaria de Cultura do município.
 



UNIPAMPA - CAMPUS BAGÉ
Endereço: Avenida Maria Anunciação Gomes de Godoy, n°1650 - Bairro Malafaia - Bagé - RS - CEP: 96413-172
Telefone Campus: (53) 3240-3600 - Secretaria Acadêmica: (53) 3240-3601 - Biblioteca:  (53) 3240-3605 - Nude:  (53) 3240-3604